Demonstração de Fluxo de Caixa: Do que se trata e como funciona

Ter o controle financeiro da empresa é uma questão essencial para todo empresário que se preze.

A ação é primordial para qualquer setor de negócios, seja de vendas ou prestação de serviços e pode ser feita por meio de um sistema que facilite todo o processo.

Existem vários outros aspectos de gerenciamento que auxiliam no processo administrativo, como a Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC). 

O que é DFC?

Se trata de um controle de entradas e saídas durante um determinado período em análise, podendo também, mostrar resultados sobre a movimentação.

O processo tem o objetivo de melhorar o controle do fluxo de caixa, auxiliando na tomada de futuras decisões da empresa, desde investimentos, até o corte de gastos.

Em resumo, a DFC tem o intuito de mostrar que não adianta ter grandes aquisições se as dívidas permanecerem. 

Além disso, também está relacionada ao Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE), podendo incluir o balanço patrimonial.

A informação é obrigatória para as empresas de capital aberto com patrimônio líquido superior a R$ 2 milhões e para PMEs, devendo ser apresentada anualmente. 

Estrutura de uma Demonstração de Fluxo de Caixa

A Demonstração de Fluxo de Caixa deve dispor de três itens essenciais para a divisão de grandes áreas, como:

Atividades operacionais

Estas abrangem todos os gastos e despesas relacionadas às atividades geradoras de receita da empresa, podendo ser definidas por:

  • Contas a pagar e receber;
  • Impostos;
  • Pagamento de fornecedores;
  • Recebimento de clientes.

Por se tratarem de atividades diretamente relacionadas à principal atividade exercida pela empresa, também estão associadas ao capital de circulação líquido.

Deste modo, o cálculo é baseado no valor utilizado na produção e venda do produto, ou na realização do serviço menos o valor recebido por eles.

Atividades de investimento 

São aquelas relacionadas a investimentos feitos pela empresa, referentes a patrimônios a longo prazo, como:

  • Compra de imóveis;
  • Móveis;
  • Veículos;
  • Investimentos financeiros;
  • Recebimento de valores. 

São denominados como patrimônios de longo prazo por considerar uma atividade de investimento, uma vez que, ao ser obtido não teve a intenção de ser usado em uma venda rápida.

Atividades de financiamento 

Essas atividades se referem do passivo circulante e não circulante, junto ao patrimônio líquido.

No caso do passivo, inclui ações como financiamentos e empréstimos; sobre o patrimônio líquido, consideram-se as novas entradas como investimentos novos de sócios; por fim, as saídas podem se tratar da divisão de lucros, entre outros.

Resultado da DFC

O resultado de um Demonstração de Fluxo de Caixa se trata da soma de todos os resultados líquidos investigados em cada grupo de atividade.

Neste caso, é preciso igualar a diferença dos saldos iniciais e finais de cara período verificado.

Métodos para fazer o DFC

Existem dois métodos de execução da DFC, o direto e o indireto.

Ambos são derivados do balanço patrimonial e do Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE), sobre determinado período, no intuito de serem usados em uma análise precisa de dados.

Método Indireto

Esta modalidade da DFC se refere à ligação entre o resultado do caixa das atividades, bem como, o lucro líquido.

É alusivo ao estoque, além de contas a pagar e receber.

Além disso, também se direciona aos lucros e prejuízos apresentados no DRE, motivo pelo qual não o torna utilizado com frequência.

O Manual da Contabilidade Societária também estabelece que o método indireto deve: 

  • Retirar do valor do lucro líquido, as ações de adiantamento de cartões, créditos tributários, gastos antecipados e outros. Assim como as contas a serem recebidas no futuro, bem como, alterações de caixa.
  • Dispensar o lucro líquido de procedimentos derivados das atividades de financiamento e de investimento.

Método direto 

Este se refere aos pagamentos e recebimentos ligados ao caixa bruto da empresa, sendo o método mais utilizado na DFC, devendo conter: 

As atividades operacionais:

  • Recebimento de clientes; 
  • Pagamento de fornecedores; 
  • Despesas administrativas; 
  • Pagamento do governo.

Atividades de investimento: 

  • Compra de ativo permanente; 
  • Recebimento de dividendo.

As atividades de financeiro:

  • Financiamento; 
  • Integralização de capital;
  • Empréstimos bancários;
  • Divisão de lucros.

Para simplificar o processo, é possível usar uma planilha do Excel que, junto à uma de controle financeiro, poderá auxiliar o gerenciamento de contas, resultando na previsão de caixa e organização geral da empresa. 

Vantagens

DFC proporciona diversos benefícios à empresa.

O único ponto que pode ser considerado como um prejuízo se refere ao tempo de realização, por isso, é indicado o auxílio de um escritório contábil para minimizar a margem de erros.

Entre as vantagens, estão: 

  • Trazer dados de maneira simples, sem a interposição de leis fiscais; 
  • O relatório pode auxiliar na tomada de decisões futuras dentro da empresa, avaliando a necessidade de empréstimos ou a possibilidade de novos investimentos; 
  • É uma forma de novos investidores terem segurança. Um bom relatório pode trazer novas aplicações; 
  • Também pode ser um método utilizado em comparações com o passado da empresa, no intuito de avaliar o crescimento da mesma; 

Como controlar o fluxo de caixa

Se for o caso de a planilha crescer e não suprir as necessidades da empresa, pode ser o momento de migração para um sistema de gerenciamento mais completo.

O eGestor pode ser uma ótima opção para casos assim, pois, possui um sistema completo de movimentações financeiras, além de apresentar o total disponível em caixa a partir das vendas e pagamentos inseridos no sistema.

Portanto, ao fazer diversas análises pode gerar inúmeros relatórios, como o de fluxo de caixa periódico, de curva ABC, de comissionamento de funcionários, bem como, o DRE. 

Fonte: JornalContabil | 27/07/2020

Parceiros / Clientes

site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Capital Cobranças  |  Rua General Liberato Bitencourt, 1885 – Sala 501 - Bairro Estreito
Florianópolis, SC - Fone 048. 3027 6600